O projeto, que é uma ação nacional de integração social, marca as histórias das comunidades assistidas e também as biografias de alunos e professores

O Núcleo Rondon/UFCSPA concluiu mais uma participação em uma operação do Projeto Rondon. Em janeiro, uma comitiva formada por oito estudantes e dois professores foi até o município de Tomar do Geru, no Sergipe, para a Operação Mangabeiras, que durou 18 dias. Essa foi a 17ª participação da UFCSPA no projeto que é uma ação nacional de integração social.

O Projeto Rondon, uma iniciativa de múltiplos ministérios do Governo Federal, teve sua primeira missão em 1967. Após uma interrupção das atividades em 1989, a retomada das operações numa nova fase aconteceu em 2005. Suas ações extensionistas, com a atuação voluntária de estudantes universitários, buscam soluções que contribuam para o desenvolvimento sustentável das comunidades assistidas.

Na UFCSPA, o Núcleo Rondon existe desde 2011 e sua primeira participação numa operação foi em 2013. O núcleo tem por objetivo incentivar o envolvimento dos alunos da Universidade com o programa, pois este proporciona aos estudantes vivências em diferentes realidades do país e a prática da cidadania, com impacto positivo no bem-estar das populações. Em 13 anos, o Núcleo Rondon totaliza 1.129 oficinas e 86.842 pessoas beneficiadas  diretamente pelo trabalho dos estudantes rondonistas da Universidade. 

Há um período de preparação até as equipes voarem centenas de quilômetros rumo às operações. Nos meses de novembro e dezembro, antes de viajarem até o município sergipano Tomar do Geru, o núcleo ofereceu 23 oficinas para 738 pessoas. Durante a Operação Mangabeiras, entre os dias 18 de janeiro e 4 de fevereiro, foram 4.172 beneficiários em 109 oficinas ministradas pelos estudantes, com temas nas áreas de saúde, educação, cultura e direitos humanos e justiça. Entre as pessoas que passaram pelos encontros, havia professores e educadores, agentes comunitários de saúde, agentes de endemias, servidores da limpeza urbana, adolescentes, idosos, grupos religiosos, grupos de apoio, assistentes sociais e conselheiros de Tomar de Geru. A equipe também revitalizou um espaço religioso importante para o município e abasteceu quatro geladeiras literárias com muitos títulos de livros.

O Projeto Rondon tem entre seus objetivos centrais a contribuição na formação dos estudantes universitários enquanto cidadãos e agentes de transformação. Para além disso, as vivências nas operações marca a trajetória dos professores que os acompanham nas viagens pelo Brasil. A professora Claudia Bica comenta sobre os estímulos e a constante aprendizagem como profissional que assume esse papel:  “A experiência enquanto professora em acompanhar os acadêmicos é extremamente desafiadora e ao mesmo tempo gratificante. Desafiadora pois a sala de aula se torna aula prática em tempo integral. Além das oficinas em si, precisamos administrar conflitos, buscar soluções em situações que temos pouco gerenciamento e manter a equipe coesa. E se não bastassem esses desafios, temos o tempo todo a preocupação com a saúde e integridade dos nossos alunos. Por outro lado, tudo isso se torna coadjuvante quando vemos os nossos estudantes crescerem e se desenvolverem!”

A rondonista Leiza Kronbauer, que cursa o 9º semestre de Psicologia na UFCSPA e esteve na Operação Mangabeiras, também fala sobre o engrandecimento proporcionado pela vivência: “Acredito que para nós, universitários, essa é uma oportunidade inestimável de crescimento profissional e pessoal. Expande nossos horizontes! É uma experiência de dar e receber. Talvez muito mais receber do que dar”. E completa seu depoimento: “Minha expectativa era aquilo que se diz sobre o projeto, que conheceríamos o Brasil além dos livros. Então, eu esperava conhecer pessoas, lugares, costumes, porém me deparei com algo muito mais especial que é conhecer a história do Brasil através das pessoas. Tive a oportunidade de conhecer pessoas que contam uma história que é a história de uma cidade, de um estado, um momento marcante do Brasil, mas que também é a sua história pessoal e de seus antepassados. São encontros com a história viva, transmitidas oralmente, olho no olho, por pessoas muito generosas e acolhedoras, que mal nos conhecem mas estão interessadas em dividir conosco um conhecimento vivencial.”

Confira abaixo algumas imagens do Núcleo Rondon/UFCSPA na Operação Mangabeiras.