Confira dicas para reduzir o risco de contaminação em passeios de higiene
 
 
Uma das preocupações da população nessa pandemia de Coronavírus é o cuidado com os animais de estimação. Algumas dúvidas são relacionadas à possibilidade de cachorros e gatos poderem ser contaminados pelo vírus, já que em alguns lugares do mundo foram relatados casos de animais que tiveram resultado positivo para teste de Covid-19. Outras questões se referem a como proceder a higiene nos "pets" após a realização de passeios para evitar que atuem como meio de contágio.
 
Animais de estimação não transmitem para humanos
 
Em primeiro lugar, é importante deixar clara a informação de que não há evidências de transmissão de Covid-19 de animais de estimação para seres humanos. Por outro lado, animais que convivem com pessoas acometidas pela doença, podem vir a desenvolvê-la, ainda que muito raramente. São poucos casos no mundo relatados de animais contaminados com o Covid-19: dois cães e um gato em Hong Kong, um gato na Bélgica e um tigre em Nova York. Os cães não tiveram reações ao vírus. Os felinos, no entanto, apresentaram vômitos e diarréia, se mostrando mais sensíveis à doença. Todos foram contaminados por seus humanos de companhia. 
 
Outro fator que é necessário esclarecer se refere ao coronavírus canino, utilizado em vídeos e postagens de “fake news” para dizer que o Covid-19 seria um vírus já existente. Como já foi vastamente explicado por especialistas, existem vários tipos de Coronavírus, assim como de Influenza, o causador da gripe comum. Enquanto o Novo Coronavírus é causa da doença Covid-19, o coronavírus canino causa a CCoV,  traqueobronquite infecciosa canina, ou “tosse dos canis”, uma doença bastante comum em cães. É para o CCoV que existe a vacina mostrada nas "fake news".
 
Cuidados com os “pets”
 
É importante atentar, no entanto, que fato de os animaizinhos não transmitirem o vírus, ou mesmo, terem poucas chances de se contaminar com Covid-19, não diminui a necessidade de tomar certos cuidados com eles ao realizar passeios. Conforme a veterinária e professora da UFCSPA Eliane Dallegrave, “caso não seja realizada uma higiene adequada, os animais podem trazer o vírus em seus pelos, patinhas ou no focinho, após a realização de passeios”. Por isso ela recomenda a lavagem com água e sabão das patas e do focinho do cão após cada ida à rua e posterior secagem, para evitar doenças no animal por causa da umidade nos pelos. É importante também lavar bem as mãos com água e sabão sempre antes e depois de tocar nos “pets”. Em relação aos gatos, caso os donos não sigam as recomendações dos veterinários de manutenção destes animais em ambientes telados, é indicada a realização dessa mesma higiene nos animais cada vez que eles saírem pela rua e voltarem para casa.
 
Além disso, a professora Eliane recomenda também que, caso haja alguém infectado na residência, essa pessoa mantenha distância dos animais, evitando, assim, que eles funcionem como meio de transporte do vírus entre os moradores. Também não são recomendados longos passeios, para evitar o risco de contaminação. 
 
Dicas para passeio de higiene com cães 
  • Ir apenas um tutor por passeio; 
  • Ao tutor é recomendado utilizar máscara de proteção;
  • Escolher locais ao ar livre com menor circulação de pessoas;
  • Optar por horários de menor movimento;
  • Levar só o tempo necessário para o animal realizar suas necessidades;
  • Evitar o contato com pessoas e outros animais;
  • Ao retornar, lavar patinhas e focinho com água e sabão e secar bem;
  • Se possível, aplicar banho seco no corpo do cão;
  • Lavar as mãos com água e sabão, não esquecendo também de realizar os cuidados com roupa e sapatos (que devem ser deixados na área contaminada, junto à porta) e de higienizar com álcool gel as chaves e a maçaneta da porta;
Fontes: CRMV-RS, CFMV, Idexx