Estudo é resultado de atividade desenvolvida em PET-Saúde de maio de 2020 a maio de 2021.

Uma equipe da UFCSPA realizou uma pesquisa multidisciplinar para buscar compreender os benefícios e as dificuldades encontradas na prática da telessaúde no contexto da pandemia. Eles avaliaram o telemonitoramento de usuários do SUS com sintomas suspeitos para o diagnóstico de Covid-19 entre maio de 2020 e março de 2021. Trata-se de um relato de experiência, colhido na prática dos autores enquanto  participantes do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) / Interprofissionalidade.

Os pesquisadores colheram dados relativos a em 21 unidades da Atenção Primária a Saúde (APS), pertencentes ao Distrito Docente Assistencial (DDA) da UFCSPA, Norte Eixo Baltazar (NEB) da Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de Porto Alegre (SMS/PMPA), área que abrange uma população de quase 200 mil usuários. O monitoramento dos pacientes era realizado desta forma: "Cada grupo tutorial do PET-Saúde era constituído por estudantes de diversos cursos da área de saúde, professores e profissionais de saúde vinculados às Unidades de Saúde. A comunicação entre os membros do grupo ocorria através do WhatsApp e incluía não só a organização e distribuição das tarefas entre os participantes, como também a orientação quanto ao uso dos sistemas de registro dos dados, a troca de informações sobre os usuários e a discussão dos casos em telemonitoramento. O contato inicial com usuários, chamado de acolhimento, era realizado por telefone e, após o mesmo,  era instaurado um fluxo para acompanhamento a cada 48 horas até o fechamento do limite de 14 dias de isolamento do usuário com resultado de exame positivo para Covid-19. As informações coletadas eram armazenadas em um banco de dados Google Forms. Todos os usuários, independentemente do resultado do exame, eram orientados quanto as medidas de isolamento, uso de máscaras, higiene e distanciamento social".

Como resultados, o grupo de pesquisadores identificou que a maior parte dos usuários monitorados obteve resultados negativos para o teste para Covid-19 (54,4%). Os casos confirmados, 5.615 (26,8%), representaram aproximadamente um quarto do total de usuários com diagnóstico de infecção viral não especificada. 18,8% dos usuários não realizaram o exame, seja por opção ou cancelamento, ou tiveram resultado inconclusivo, não notificado ou não informado. Quanto à distribuição etária dos atendimentos, os adultos jovens, com idades entre 20 e 39 anos, representaram cerca de quatro a cada dez usuários, e usuários com idade igual ou superior a 60 anos, considerados um grupo de risco para a infecção por SARS-CoV-2 (BRASIL, 2020), foram responsáveis por cerca de 13,3% dos atendimentos. A conclusão do estudo afirma que "As situações de calamidade coletiva como a pandemia de COVID-19 podem desencadear diversos sentimentos negativos na população (KABAD et al. 2020), mas o acolhimento, o vínculo e a escuta ativa e empática são ferramentas fundamentais para uso no enfrentamento desses sentimentos dos usuários".

São autores da pesquisa:

  • Fábio Biguelini Duarte (discente de Medicina UFCSPA)
  • Angélica Paula Barbosa Silva Dutra (discente da Nutrição UFCSPA)
  • Guilherme Vasconcelos de Freitas (discente Medicina UFCSPA)
  • Vitória Morita Fukuoka (discente Medicina UFCSPA)
  • Lizandra Ferrari Guimarães (dentista, assessora da Gerencia Distrital Norte Eixo Baltazar da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre)
  • Amanda Gonçalves Moeller (discente Enfermagem UFCSPA)
  • Fabiana de Oliveira (docente do departamento de Fonoaudiologia da UFCSPA)
  • Adriana Aparecida Paz (docente do departamento de Enfermagem da UFCSPA)
  • Gabriel Seroiska (discente Medicina UFCSPA)
  • André Luiz da Silva (docente do departamento de Saúde Coletiva da UFCSPA)

Divulgação Científica
Pesquisadores da UFCSPA podem enviar suas pesquisas para a área de Divulgação Científica, enviando as informações dos artigos/dissertações/teses publicado(a)s através do Sistema de Pedidos Interno (PI), na opção Ascom - Divulgação Científica.