Ângela Jornada Ben participará de disciplina do PPG-Ciências da Saúde voltada para internacionalização do programa.

 

Uma disciplina em colaboração entre a UFCSPA e a Universidade Livre de Amsterdã (Vrije Universiteit Amsterdam), da Holanda, será oferecida, no segundo semestre acadêmico referente ao ano de 2020, no PPG-Ciências da Saúde. Aberta a inscrições de alunos de todos os PPGs da UFCSPA, a atividade irá abordar o estudo das avaliações econômicas para a saúde. A atividade é coordenada pelo professor Airton Stein e contará com a participação das professoras Judith E. Bosmans, Johanna M. van Dongen e Ângela Jornada Ben, da Vrije Universiteit Amsterdam, e Carine Raquel Blatt, da UFCSPA. A oferta da disciplina configura uma ação da proposta de ampliação da internacionalização do PPG-Ciências da Saúde e será ministrada em inglês. Uma palestra de abertura será realizada pela professora Judith E. Bosmans no dia 3 de fevereiro e será realizada de forma aberta à comunidade acadêmica.

A professora Ângela Jornada Ben é pesquisadora na Vrije Universiteit Amsterdam, mas já atuou na UFCSPA por cinco anos. É formada em Medicina, especialista na área de Medicina de Família e Comunidade, com mestrado e doutorado em epidemiologia. Ela é a entrevistada desta edição do UFCSPA entrevista.

Ascom UFCSPA - A senhora foi professora da UFCSPA. Como foi a sua experiência na universidade?

Ângela Jornada Ben - A UFCSPA me acolheu em meus primeiros passos na carreira acadêmica e docente, ampliando meu olhar no sentido de perceber o estudante como foco e protagonista de seu aprendizado. Trabalhei por aproximadamente cinco anos como professora no Departamento de Saúde Coletiva. Nesse período, tive a oportunidade de me qualificar participando de atividades de formação docente desenvolvidas pelos colegas, como o curso Língua Inglesa em contextos Acadêmicos. Esses espaços de formação, certamente, contribuíram para eu pensar "outside the box". Também tive apoio dos colegas do departamento para buscar qualificação fora da universidade, como a participação no curso de especialização em ensino superior FAIMER-Brazil. Tive a honra de trabalhar com professor José Mauro C. Lopes, um grande mestre que ampliou meu olhar para as metodologias ativas de aprendizagem e me incentivou a aplicar essas metodologias na prática docente juntamente com os estudantes num ambiente de aprendizado mútuo. Colaborei em várias disciplinas como o Seminário Integrador, Internato de Medicina de Família e Comunidade, Saúde Pública e Epidemiologia. O Semiário Integrador foi uma experiência transformadora. A cada semestre trabalhávamos em times com os estudantes dos mais diversos cursos, com profissionais de saúde em seu campo de trabalho e com a comunidade no Distrito Docente Assistencial da UFCSPA. Lembro com muito carinho do tempo que passei na UFCSPA e dos amigos que ela me trouxe. Certamente, as experiências na universidade abriram e continuam abrindo caminhos, como a colaboração internacional entre a UFCSPA e a universidade em que trabalho atualmente.

Ascom UFCSPA - Como é a sua atuação na Vrije Universiteit Amsterdam?

Ângela Jornada Ben - Iniciei minha atuação na Vrije Universiteit Amsterdam (VU) como pesquisadora após defender doutorado em Epidemiologia na UFRGS, em 2017. Meu doutorado teve como principal objetivo avaliar o custo-efetividade de um programa de tele-rastreamento de retinopatia diabética na atenção primária. O projeto de doutorado possibilitou que eu aprofundasse meu conhecimento em epidemiologia e iniciasse meus estudos como pesquisadora no campo da avaliação de tecnologias em saúde. Em 2019, iniciei um segundo doutorado com foco em conduzir e avaliar o desempenho de métodos estatísticos usados em análises econômicas. O objetivo desse projeto é contribuir para a melhora da qualidade científica de avaliações econômicas no sentido de que os resultados desses estudos sejam confiáveis e efetivamente utilizados por gestores no processo de decisão sobre a incorporação de tecnologias no sistema de saúde. Tenho também atuado ativamente em projetos de colaboração nacional e internacional. Um exemplo é o projeto contemplado pelo Edital de Internacionalização da UFCSPA intitulado "Economic Assessment of Health Care - thinking globally, acting locally", uma ação colaborativa entre UFCSPA e a VU com coordenação dos professores Airton Stein e Judith Bosmans.

Ascom UFCSPA - Qual a importância do estudo das avaliações econômicas para a saúde?

Ângela Jornada Ben - O crescimento dos gastos em saúde, aliado à necessidade de se buscar eficiência na alocação dos recursos, tem estimulado o uso de avaliações econômicas em saúde no processo de tomada de decisão sobre incorporações de tecnologias em diversos sistemas de saúde globalmente. No Brasil, avaliações econômicas em saúde foram incluídas no processo de tomada de decisão sobre incorporação de tecnologias do SUS em lei publicada em 2011. Desde então, há a necessidade de se ampliar o conhecimento de pesquisadores, gestores e da sociedade sobre o tema, assim como de efetivamente ampliar o uso desse conhecimento no processo de decisão afim de otimizar a qualidade do cuidado em saúde prestado à sociedade.

Ascom UFCSPA - Como a sua experiência enquanto brasileira modifica o olhar dentro de uma universidade europeia para o estudo das avaliações econômicas em saúde?

Ângela Jornada Ben - Acredito que cada vez mais as universidades estejam discutindo maneiras de ampliar a diversidade no ambiente acadêmico, ou seja, em como possibilitar a troca de experiências entre estudantes, professores e pesquisadores em projetos colaborativos nacionais e internacionais que visem a produção científica com alto impacto social. Um exemplo é o projeto de colaboração que citei anteriormente. Outro exemplo de como a diversidade está sendo implementada é o time de pesquisadores em que trabalho na VU. Somos um grupo com pesquisadores de diversas áreas do conhecimento e de diferentes países (Holanda, Grécia, Honduras, Hungria, Alemanha, República Checa e Brasil), trabalhando colaborativamente em projetos de pesquisa e no ensino de estudantes de graduação, pós-graduação, profissionais de saúde e gestores em saúde na Holanda e em outros países.

Ascom UFCSPA - Qual a proposta da disciplina que será oferecida no PPG Ciências da Saúde?

Ângela Jornada Ben - A proposta da disciplina Economic Assessment of Health Care é de que pós-graduandos em Ciências da Saúde e pesquisadores possam compartilhar conhecimento, desenvolver habilidades para a condução de análises econômicas e avaliar criticamente o uso desse tipo de estudo, considerando o contexto brasileiro. A disciplina também visa incentivar a internacionalização do Programa Ciências da Saúde da UFCSPA com a possibilidade de condução de análises econômicas de forma colaborativa entre pesquisadores e pós-graduandos da UFCSPA e VU.

Na open session da disciplina, a professora Judith Bosmans apresentará alguns exemplos de como os resultados de avaliações econômicas têm auxiliado o processo de tomada de decisão sobre incorporação de tecnologias no sistema de saúde Holandês. Para otimizar o uso dos resultados das pesquisas científicas pelos tomadores de decisão, um novo modelo de financiamento foi implementado pelo governo holandês em 2012, em que todas as partes interessadas relevantes (Instituto Nacional de Saúde, seguradoras de saúde, a Organização Holandesa para Pesquisa e Desenvolvimento em Saúde, sociedades de profissionais de saúde e representante dos pacientes) devem estar envolvidos para que os projetos de pesquisa sejam contemplados. Além disso, os projetos de pesquisa devem, preferencialmente, responder perguntas da Agenda de Pesquisa Holandesa. Dentre os objetivos desse novo modelo de financiamento estão: (1) fomentar o desenvolvimento de pesquisas que possam informar o governo sobre a efetividade e custo-efetividade de tecnologias em saúde, levando em consideração todas as partes envolvidas e; (2) possibilitar o uso dos resultados de pesquisa na decisão sobre a inclusão de tecnologias no pacote básico dos seguros de saúde regulados pelo governo Holandês.

Nesse sentido, a disciplina também representa uma oportunidade para discutirmos como fazer uso desses exemplos no contexto brasileiro, a fim de possibilitar que novos conhecimentos fluam do pesquisador para o usuário e que novas questões da prática clínica e da sociedade possam rapidamente ser respondidas com novas pesquisas.