Prática de Yoga pode trazer benefícios para portadores do transtorno obsessivo-compulsivo (Crédito: Ingimage)

A prática de Yoga pode trazer benefícios para portadores do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), aponta pesquisa realizada no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da UFCSPA. O trabalho de mestrado da aluna Juliana Vaz mostra que pacientes submetidos a três meses de treinamento apresentaram melhora em diversos sintomas do TOC, além de diminuição da ansiedade e aumento da esperança com o sucesso do tratamento.

 

“As sessões de Kundalini Yoga ajudaram os participantes a cultivar a confiança e o empoderamento para enfrentar a doença”, relata Juliana. Ao todo, 24 pacientes participaram de três sessões semanais que contemplaram técnicas de meditação, controle de respiração e prática de posturas físicas. Para evitar distorções nos resultados, os participantes deveriam estar com a medicação estabilizada por pelo menos três meses e não se submeter à psicoterapia no decorrer do estudo.

 

A inspiração para o tema veio da prática profissional da discente. Psicóloga de formação, Juliana engajou-se na prática do Yoga no período de dez anos em que morou nos Estados Unidos. “Comecei a perceber que aquilo ajudava na minha vida pessoal e fui fazendo associações com que havia aprendido na área da psicologia”, detalha. De volta ao Brasil, montou um estúdio em Porto Alegre onde uniu a prática do Yoga com tratamentos complementares para doenças como ansiedade e depressão.

 

A oportunidade para aprofundar o assunto no espaço acadêmico surgiu após contato com o professor de psiquiatria da UFCSPA, Ygor Ferrão. O docente é um dos profissionais que recomenda a prática em seu consultório: “Yoga tem se mostrado efetiva para pacientes com algum tipo de ansiedade, visto que é uma prática continuada e sistemática que ajuda bastante a reduzir os níveis de estresse”.

Estudo foi desenvolvido no âmbito do PPG-Ciências da Saúde (Crédito: Luciano Valério/ASCOM UFCSPA)

O desenho do estudo, explica Juliana, envolveu entrevistas clínicas com voluntários visando a confirmar o diagnóstico de transtorno obsessivo-compulsivo, além de outras comorbidades como depressão. “Além disso, aplicamos também testes na linha da psicologia positiva para verificar questões relacionadas à qualidade de vida”, complementa. A preocupação, afirma a mestre, era avaliar outros critérios além de apenas os sintomas do TOC.

 

A conclusão da pesquisa foi promissora em relação ao potencial do Yoga. Os resultados do estudo apontaram não apenas a diminuição de determinadas manifestações da doença, mas também a melhora em todos os aspectos da vida dos voluntários nos campos físico, emocional, social e ambiental. “É importante ressaltar que nossas sessões eram em grupo, mas não em formato de terapia. Sentávamos em círculo e praticávamos as técnicas, de olhos fechados, por uma hora e meia”, relata Juliana.

 

Um aspecto relevante do trabalho do PPG-Ciências da Saúde é o fortalecimento da prática do Yoga como complemento à medicação e terapia, tratamentos tradicionais do TOC. “Mesmo recebendo o tratamento adequado, ainda cerca de 30% dos pacientes não obtêm o alívio esperado com esta combinação. Assim, existe um espaço para desenvolvermos outras terapêuticas, como o Yoga, que trabalhem o ser humano na sua integralidade”, aponta a acadêmica.