É preciso entender que a cadeia entre a produção ou plantio e venda (entrega) de um determinado produto passa pelo envolvimento de muitas pessoas. Quanto mais pessoas manipulam um alimento ou item de uso pessoal, aumentam-se as fontes potenciais de infecção e mais medidas de segurança são necessárias. É importante termos conhecimento sobre a origem dos produtos que consumimos (podemos confiar que a pessoa que embalou a pizza da tele-entrega não estava infectada pelo vírus?). Tudo que adquirimos comercialmente, dentro das possibilidades, deve ser higienizado, respeitando-se as características físicas de cada produto. Algumas embalagens podem ser higienizadas com água e detergente ou álcool 70%, outras não. Alguns alimentos serão consumidos após cozimento, o que inativará o vírus. Mas os alimentos consumidos in natura precisam passar por algum processo de descontaminação, onde o mais indicado é o uso de solução de água sanitária diluída em água (15 mL/1 litro). Além disso, é preciso também estar atento às mãos ao manipular esses produtos, que precisam ser frequentemente higienizadas e principalmente após esse manuseio.

Rizou M, Galanakis IM, Aldawoud TMS, Galanakis CM. Safety of foods, food supply chain and environment within the COVID-19 pandemic. Trends Food Sci Technol. 2020;102:293-299. doi:10.1016/j.tifs.2020.06.008; http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/o-novo-coronavirus-pode-ser-transmitido-por-alimentos-/219201/pop_up?_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_viewMode=print&_101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU_languageId=pt_BR