O diagnóstico clínico é feito pelo médico atendente, que deve avaliar a possibilidade da doença, e é realizado preferencialmente no posto de saúde ou no atendimento ambulatorial. Destaca-se que a eficácia das medidas não farmacológicas, implementadas pela atenção primária na comunidade local, auxilia na redução de impactos ao Sistema Único de Saúde.  O diagnóstico laboratorial é obtido através de um teste molecular, o RT-qPCR, que diagnostica e diferencia a COVID-19 de outras doenças como influenza ou infecção pelo Vírus Sincicial Respiratório. Esse teste é feito através de swab da naso e orofaringe com coleta de material da via respiratória. O RT-qPCR pode ser feito desde o surgimento dos sintomas até o 15º dia, sendo bastante efetivo em detectar o vírus em torno do 3º ao 5º dia de doença. Entretanto, o PCR pode positivar antes mesmo do início dos sintomas ou mesmo após o 5º dia, sendo indicado aos profissionais de saúde para situações de contato com casos positivos sem o uso dos equipamentos de proteção individual preconizados.

Fonte: Pourbagheri-Sigaroodi A, Bashash D, Fateh F, Abolghasemi H. Laboratory findings in COVID-19 diagnosis and prognosis. Clin Chim Acta. 2020;510:475-482. doi:10.1016/j.cca.2020.08.019