Pílulas de Humanidades

Pílulas de Humanidades é uma ação do Departamento de Educação e Humanidades (DEH) da UFCSPA que visa contribuir com o bem-estar social nesses difíceis tempos de isolamento, oportunizando à comunidade o contato com obras literárias e fílmicas que nos fazem refletir sobre o que nos torna humanos.



Quem diria que cem anos depois do surgimento do fascismo na Itália estaríamos de novo às voltas com esse termo que parecia moribundo? Uma boa maneira de entender o que está em jogo nessa questão é a biografia romanceada do Duce Benito Mussolini: M, o filho do século (Intrínseca, 2020). O livro de Antonio Scurati - que também escreveu um artigo imperdível sobre o coronavírus em Milão - virou best-seller na Europa. Descreve a personalidade magnética e diabólica de Mussolini, mas sobretudo as condições políticas e sociais da ascensão do fascismo na Itália do Pós-Primeira Guerra: a radicalização e a divisão da oposição, o medo do comunismo, a manipulação da mídia, o militarismo, o imperialismo, o culto à violência, a polarização da sociedade, a criação das milícias, a condescendência dos políticos e intelectuais liberais que se aliam ao fascismo na crença de poderem manipular a fera... A narrativa vai de 1919 a 1925, e sabemos o que virá depois: a consolidação de um regime autoritário, a parceria com o nazismo, as leis raciais, a Segunda Guerra Mundial, por fim a derrocada de Mussolini e a exposição de seu cadáver à fúria popular em Milão, em 1945. Virá dessa história alguma coisa ainda?

Rodrigo de Lemos é professor de língua e cultura francesa do DEH/UFCSPA.



Eu queria muito resenhar uma live... Achei esquisito, mas me lembrei que agora trabalho de pijama, dou aulas pra uma tela, só saio na rua com um pano na boca e nariz, e cumprimento as raras pessoas que encontro batendo de cotovelo. Então, parece que o esquisito tá liberado! A cantora Ana Cañas fez uma live para ensaiar o repertório de um disco que planeja fazer (se a grana der e a pandemia acabar) cantando apenas canções daquele que é, possivelmente, o mais impactante compositor dos anos 70 - Antonio Carlos Belchior. O ano de 2019 foi um ano de redescoberta da obra deste poeta e compositor, tido como um maldito, e do poder de sua obra prima: Alucinação (1976), frequentemente tida como uma das mais revolucionárias da música brasileira. Ana Cañas foi corajosa, pois, até hoje, quem mais e melhor tinha cantado Belchior foi ninguém menos que a Elis Regina, do IAPI. Baita coragem! Entretanto, Ana Cañas não decepciona no espetáculo - timbre e tessitura únicos mobilizados num jeito de interpretar todo dela, associados a um arranjo minimalista feito para deixar o canto (e as letras de Belchior!) em destaque. Este é um disco que promete! Por ora, fiquem com a live:



William Kirsch é professor de inglês do DEH/UFCSPA.



Vocês já se fizeram a pergunta: se eu pudesse escolher apenas um livro para levar para uma ilha deserta, qual seria? Eu responderia, sem nem precisar pensar muito: Assim falou Zaratustra, de Friedrich Nietzsche. É um livro de filosofia escrito quase como um romance de formação. Um livro cheio de metáforas... A cada releitura, sempre penso que haverá algo a compreender que ainda não havia percebido. E nunca me decepciono. Há livros para serem lidos e relidos. Para mim, Zaratustra sempre estará no topo desta lista.

Ana Carolina da Costa e Fonseca é professora de Filosofia na UFCSPA.



É um clichê observar que as melhores gravações de música clássica, mesmo com os melhores intérpretes, perdem algo daquela mística de ouvir um concerto ou uma sinfonia ao vivo, com os instrumentos à nossa frente. E, agora, em meio à pandemia, com as salas de concerto fechadas… Ainda assim, o streaming nos salva, até certo ponto, e por isso a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais está organizando a Maratona Beethoven, totalmente online, com os músicos tocando o repertório desse gênio maior da música a partir da bonita Sala Minas Gerais, em Belo Horizonte. A Maratona Beethoven começou em setembro e vai até dezembro. Os concertos são transmitidos nas quintas-feiras à noite e ficam disponíveis gratuitamente no YouTube da Filarmônica de Minas. E a programação pode ser vista em filarmonica.art.br/newsletter/2020_Maratona-Beethoven2.pdf (PDF).

Rodrigo de Lemos é professor de língua e cultura francesa do DEH/UFCSPA.

 

Conheci Moacyr Scliar ainda na infância por meio de seus livros e depois, pessoalmente, quando ele me atropelou enquanto eu atravessava a rua distraidamente. Muito preocupado, me socorreu, me colocou no seu carro e me levou até o PS. E fomos conversando sobre literatura. Muitos anos depois, participei da inauguração do anfiteatro que o reverencia em nossa UFCSPA. É que o famoso escritor foi também médico e professor da casa. A face oculta: inusitadas e reveladoras histórias da medicina (Artes e Ofício, 2010), é uma coletânea de crônicas escritas em sua coluna na ZH entre os anos 1993 e 2001, mas são histórias atemporais, de um médico muito humano, que abre o livro falando de si como paciente, que sorri com sorrisos alheios, que lembra com humor de noites insones, de uma história de gonorreia, dos famosos hieróglifos de médicos... Ah, e têm histórias que parecem escritas hoje, como “Terapia online” e “Lavem as mãos”.

Ana Boff de Godoy é professora de humanidades da UFCSPA.