Laboratório de Inovação, Prototipagem Educação Criativa e Inclusiva

Nossos parceiros

 

Nossos pilares

Cultura Maker

O movimento Maker cresceu alienado das estruturas tradicionais de Ensino-Aprendizagem e abrange: (i) o processo de criação de objetos específicos e (ii) os costumes locais. É uma extensão tecnológica contemporânea da Cultura Faça-Você-Mesmo (Do-It-Yourself, DIY) contribuindo de maneira robusta para a elaboração de novos dispositivos bem como modificação de existentes. Tem atraído o interesse de educadores que estão preocupados com o desengajamento dos alunos nas áreas de matemática, ciências, tecnologia e engenharia. Os Makers têm como princípio norteador o learning-through-doing – “aprender fazendo” (active learning), em um ambiente social. Embora isso possa parecer um eco dos modelos anteriores de aprendizado formal, o movimento enfatiza o aprendizado informal, em rede, liderado por pares e compartilhado, motivado pela diversão e pela auto realização.

Acessibilidade

Softwares de modelagem e planejamento são utilizados em uníssono com equipamentos da manufatura aditiva para a confecção de objetos pedagógicos e andragógicos os quais após supervisão dos detalhes topográficos são submetidos a abrasões físicas e/ou químicas para que a fidedignidade da estrutura biológica seja atingida. Os objetos de aprendizagem são concebidos por um processo criativo que compreende: (i) resposta imediata; (ii) ágil desenvolvimento iterativo e (iii) construção de múltiplos protótipos. O parecer contínuo e informal dos pares é almejado, e a criação compartilhada é vista como altamente valiosa. Buscamos facilitar o entendimento das nuances topográficas do mundo orgânico, contribuindo para o ensino de pessoas com necessidades específicas (particularmente com deficiência visual) com ênfase em Biologia Celular, Tecidual e Anatomia. Somos guiados pela política “leaving no one behind” preconizada pela Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência da United Nations: “As escolas passam a ser chamadas inclusivas no momento em que decidem aprender com os alunos, o que deve ser eliminado, modificado, substituído ou acrescentado no sistema escolar para que ele se torne totalmente acessível. Isso permite que cada aluno possa aprender mediante seu estilo de aprendizagem e com o uso de todas as suas inteligências.

Criatividade

O learning-through-doing é a base para a execução de nossos trabalhos e tem colaboradores com heterogêneas habilidades para que seja bem-sucedido em seu propósito: a capilarização da Cultura Maker no Ensino-Aprendizagem de Morfologia, capacitando discentes e docentes que desejam aliar tecnologia à criatividade. Representar graficamente os tecidos e células humanas implica um estudo e uma pesquisa estruturada no método científico e adorná-la com a beleza e o saber da estética. A forma do desenho é construída baseada nos referenciais teóricos e conceituais e criada de modo a ser um modelo visual que transmite o conhecimento além da barreira das linguagens, ou seja, é uma imagem estrategicamente enfática. Para que todas as imagens sejam fidedignas, mas simultaneamente criativas e belas, alianças entre designers e morfologistas precisam ser consolidadas.

Excelência Acadêmica

É importante ressaltar que ao termos como um de nossos pilares a Excelência Acadêmica não a definimos quantitativamente mas sim identificamos fatores, ainda que subjetivos, que são características desta excelência, e que pavimentam o caminho para que se possa estabelecer diretrizes para a execução de nossas ações. Em geral, a comunidade acadêmica brasileira associa a ideia de excelência à produção de conhecimento científico e/ou tecnológico de uma instituição. Entretanto, o papel principal da universidade é a formação de recursos humanos. A universidade deve se pautar pela qualidade do egresso tanto de graduação quanto de pós-graduação. Afirma HARARI (2018): “Num mundo inundado de informações irrelevantes, clareza é poder.” Segundo PAPERT (1993), há algumas décadas, e em muitas partes do mundo, os jovens, seguramente, aprenderiam habilidades que poderiam usar em seu trabalho ao longo da vida. Hoje, nos países onde a Indústria 4.0 dissemina-se, a maioria das pessoas está em trabalhos que não existiam quando nasceram. As habilidades mais importantes que contribuem para o padrão de vida de uma pessoa se alicerçam: (i) na capacidade de aprender novas aptidões, (ii) de adotar conceitos contemporâneos, (iii) de avaliar situações inéditas e (iv) de lidar com o inesperado. Isso é cada vez mais tangível no presente: a capacidade competitiva respalda-se no aprender. O que é verdade no âmbito individual é ainda mais fundamentado para as nações. Desse modo, a Excelência da Academia pode ser mensurada pelas oportunidades oferecidas aos alunos e alunas para desenvolverem suas soft skills: criatividade, criticidade, habilidades para colaboração e comunicação afetiva/efetiva. Sem essas aptidões será muito mais difícil singrar pelos mares da Quarta Revolução Industrial. Trazer o learning-through-doing para sala de aula tem se mostrado um recurso em potencial favorecendo uma aprendizagem mais participativa dos alunos. FabLabs (Fabrication Laboratories) permitem que indivíduos com interesses semelhantes compartilhem ideias e habilidades. Dentre as principais ferramentas existentes nesses laboratórios encontram-se as de prototipagem rápida por fabricação aditiva, como as impressoras 3D.

 

Nossa equipe

Coordenação

Prof.ª Dr.ª Gisele Orlandi Introíni

Idealizadora e Coordenadora do LIPECIN

 

 

 

Prof.ª Dr.ª Simone Schneider Amaral

Confecção de Protótipos em Química

 

 

 

Corpo Docente

Prof.ª Dr.ª Ana Beatriz Gorini da Veiga

Coordenadora NITE-Saúde

 

 

 

Prof. Dr. André Peres

Coordenador do POALAB

 

 

 

Elizandra Braganhol

Fabricação Digital para Bioquímica

 

 

 

Endrigo Rafael Mildner

Avaliação Ergonômica de Equipamentos de Proteção Individual

 

 

 

Prof. Everton Rodrigues Farias

Fabricação Digital para Ensino Infantil

 

 

 

Prof. Dr. Leandro de Freitas Spinelli

Impressão 3D para Planejamento Cirúrgico

 

 

 

Prof.ª Dr.ª Mariana de Freitas Dewes

Propriedade Intelectual

 

 

 

Prof.ª Dr.ª Monica Fernandes Rosa de Lima

Protótipos em Embriologia

 

 

 

 Samuel Conrad

Fabricação Digital em Ortopedia Pediátrica

 

 

 

Simone Orlandi Introíni

Fabricação Digital para Ensino Infantil

 

 

 

Corpo Discente

Doutoranda Andréia Gomes Aires

Fabricação Digital

 

 

 

Bianka da Silva Rauber

Supervisão dos Protótipos

 

 

 

Cristian Zehnder

Fabricação digital

 

 

 

Eduard Santos de Braga

Modelagem Tridimensional

 

 

 

Giovanna Alves Gadelha

Modelagem e Impressão 3D

 

 

 

Guilherme Guimarães Scherengovski

Fabricação Digital em Ortopedia/Traumatologia

 

 

 

Isabela Delfino Moreira

Modelagem Tridimensional

 

 

 

Juliana Catão

Modelagem e Corte a laser

 

 

 

Katherine Alves Gadelha

Impressão 3D e Corte a Laser

 

 

 

Luis Fernando Marcelino Braga

Modelagem e Impressão 3D

 

 

 

Matheus Merino Duarte

Impressão 3D e Corte a Laser

 

 

 

Patrick Carvalho Cabreira

Construção da plataforma digital e Corte a Laser

 

 

 

Ravena Maya Cardoso

Confecção de mascaras com óxido de zinco

 

 

 

Renata Almeida

Modelagem e Impressão 3D

 

 

 

Renata Vinadé

Impressão de Protótipos

 

 

 

Zhao Rafael

Realização de atividades de Extensão