O Biotério do Prédio 3 foi inaugurado em 2016 com o intuito de centralizar o uso de animais em um único lugar da Universidade, promovendo assim uma melhor qualidade sanitária, além de conforto e bem-estar aos animais aqui alojados. O Biotério atual conta com equipamentos de alta qualidade para alojamento dos animais e para esterilização de materiais, aumentando a qualidade sanitária dos animais fornecidos pelo Biotério. Neste Biotério foram implementados dois corredores (limpo e sujo), além de toda adequação nas instalações para atender as exigências do órgão regulador, o CONCEA.

O Biotério é multidisciplinar e realiza pesquisas nas mais diversas áreas da saúde, como imunologia, toxicologia, oncologia, doenças metabólicas e endócrinas, entre outras diversas linhas de pesquisa. A aquisição de 3 novas racks ventiladas em 2020 não só aumentou a capacidade de criação, como também aprimorou a qualidade dos alojamentos dos nossos animais, produzindo assim animais mais saudáveis para responder adequadamente a todas as pesquisas realizadas na instituição.

 

Equipe

Fernanda Bastos de Mello – Médica Veterinária (Responsável técnica)

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Joana Fisch – Médica Veterinária (Coordenadora administrativa)

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Nicole Hiller Bondarczuk – Auxiliar de veterinário

Clarissa Hollembach – Bolsista de apoio técnico

Daniele Munareto Rodrigues – Bolsista de apoio técnico

Gustavo Guimarães Rodrigues – Técnico em biotério (terceirizado)

Aline Machado de Freitas – Técnica em biotério (terceirizada)

Contato

Endereço:

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Biotério

Prédio 3 – Sala 414

Rua Sarmento Leite nº 245

Porto Alegre, RS CEP: 90050-170

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Telefone: +55 (51) 3303-8803

Histórico do Biotério

As atividades com uso de animais em ensino e pesquisa na UFCSPA iniciaram em 1973, com a utilização de animais das espécies Rattus norvegicus linhagem Wistar e Mus musculus domesticus, sob responsabilidade da professora Semíramis Lehnemann Tannhauser. A criação do Biotério foi possível através da obtenção de recursos relacionados ao Programa Educacional sobre Tóxicos, implementado sob a responsabilidade do Ministério da Educação e Cultura, Fundação Cenafor e da Escola Paulista de Medicina. O objetivo do programa foi esclarecer estudantes de ensino médio sobre os mecanismos de ação das drogas psicotrópicas através de palestras proferidas por equipes de estudantes de Medicina, treinados e supervisionados por docentes. Como as palestras foram baseadas em demonstrações com animais, a então Faculdade Católica de Medicina obteve recursos para a aquisição de animais e utensílios necessários para a criação e manutenção e, em contrapartida, cedeu um espaço físico de aproximadamente 30m² (parte da antiga Unidade 1). Atualmente, o Biotério da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre é composto somente pela Unidade 3 para a criação e experimentação animal. As Unidades 1 e 2 já desativadas, apresentavam as seguintes localizações e características gerais:

  • Unidade 1 – era localizada no terceiro andar do prédio principal da Universidade, na ala do setor de Farmacologia. Apresentava 95,1m² de área total divididos em uma sala destinada a criação de Rattus norvegicus linhagem Wistar, três salas destinadas à experimentação com Rattus norvegicus, uma área administrativa e uma área de lavagem composta de dois tanques para a higienização do material.
  • Unidade 2 – foi instalada em caráter temporário no primeiro andar prédio II. Era uma unidade convencional com quarentena, que possuía 108,2m² e apresentava três salas destinadas à experimentação de animais das espécies Rattus norvegicus e Mus musculus domesticus, sendo duas salas para ratos (uma destinada para fêmeas e outra para machos) e uma para camundongos de ambos os sexos. Ainda completam as instalações um depósito, uma sala de lavagem de caixas, bebedouros e utensílios, uma sala de procedimentos e uma sala de quarentena.
  • Unidade 3 – está localizada no quarto andar do prédio três. O espaço está dividido em sala administrativa, sala de quarentena, sala de preparação de materiais, sala de higienização e esterilização, sala de criação de Rattus norvegicus, sala de criação de Mus musculus domesticus, sala de alojamento de animais em experimentação, sala de criação de Zebrafish, sala de experimentação de Mus musculus domesticus, sala de experimentação de Rattus norvegicus e sala de pós-operatório.

 

Normas e legislação

Animais e cuidados

O rato é um mamífero fusiforme com cauda longa, que constitui 85% do comprimento do corpo. A cauda é coberta por escamas sobrepostas e é mais longa em machos do que em fêmeas. A cauda de um rato funciona tanto como um órgão de equilíbrio quanto como um mecanismo para perda de calor. O animal não possui glândulas sudoríparas, exceto as encontradas no coxin plantar sem pelo. Os membros anteriores contém quatro dígitos cada um; os posteriores, cinco. As epífises dos ossos não fecham e o rato cresce continuamente ao longo da vida. Os estrógenos podem causar fechamento das epífises das fêmeas tardiamente. Os pelos crescem em todas as partes do corpo, exceto na cauda, no nariz, nas palmas e solas e nos lábios (MARGI SIROIS, 2008).
 
Os camundongos são altamente prolíferos e um tanto tímidos. A cauda tem uma pelagem esparsa. A pele em áreas sem pelos é relativamente grossa. O macho tende a ter um odor forte e ofensivo. Cada membro anterior tem cinco dígitos e os posteriores tem cinco dígitos cada. A medula dos ossos longos do camundongo permanece ativa ao longo da vida (MARGI SIROIS, 2008).
  • Prédio 1, 3º andar - Biotério de Reprodução
  • Prédio 3, 4º andar - Biotério de Experimentação

Espécies Criadas e Mantidas

O Biotério reproduz ratos e camundongos das seguintes linhagens:

a) Ratos Wistar (Rattus norvegicus)
b) Camundongo Balb/c (Mus musculus)
c) Camundongo C57/BL6 (Mus musculus)
 

Uso Ético dos Animais de Experimentação

a) Os animais são fornecidos pelo Biotério para uso exclusivo em pesquisa e docência. Os usuários se comprometem a prover condições adequadas de manutenção para os mesmos e de utilizar procedimentos experimentais de acordo com as normas de ética de experimentação animal, de modo a causar o mínimo de sofrimento aos animais. As normas são as indicadas pelo SBCAL (Sociedade Brasileira da Ciência de Animais de Laboratório). Recomenda-se que apenas pessoas habilitadas e treinadas manuseiem os animais.
 
b) Cabe aos usuários obter a aprovação (dos projetos que utilizam os animais) junto ao Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA).

Tabela 1. Parâmetros biológicos e reprodutivos

Parâmetros Rato Camundongo
Número de cromossomos 42 (diploides) 40 (diploides) 
Fórmula dentária 2 (1/1 I, 0/0 C, 0/0 PM) e 3/3 M)=16 2 (1/1 I, 0/0 C, 0/0 PM) e 3/3 M)=16 
Início do consumo de alimento sólido 14 dias 12 dias
Peso ao nascer 6-7 g  1-2 g
Peso ao desmame 45-60 g 10-15 g
Peso adulto (macho) 350-500 g 25-50 g
Peso adulto (fêmea) 250-350 g 25-45 g
Adulto jovem (idade) 8 semanas 6 semanas
Idade reprodutiva 8-10 semanas 6-8 semanas
Final da idade reprodutiva 10-12 meses 8-10 meses
Ciclo estral 4-5 dias 4-5 dias
Duração do estro 12 horas 10-20 horas
Mecanismo de ovulação Espontânea Espontânea
Período de gestação 20-22 dias 19-21 dias
Idade do desmame 21 dias 19-28 dias
Mamas 6 pares 5 pares

Fonte: Manual de Cuidados e Procedimentos com Animais de Laboratório do Biotério de Produção e Experimentação da FCF-IQ/USP, 2013.

Tabela 2. Consumo de ração e água

  Rato adulto Camundongo adulto
Água ingerida (mL/dia) 10 a 20 3 a 7
Ração ingerida (g/dia) 10 a 20 4 a 5 

Fonte:Manual de Cuidados e Procedimentos com Animais de Laboratório do Biotério de Produção e Experimentação da FCF-IQ/USP, 2013.

Tabela 3. Parâmetros Fisiológicos Rato

Massa corporal (g) 300-520
Temperatura Corporal (°C) 35,9-37,5
Frequência Respiratória (mov.mim) 70-115
Frequência Cardíaca (bat.min-1) 250-450

Fonte:Adaptado de Hrapkiewicz; Medina, 2007.

Solicitação de animais

 
Deve ser encaminhada via formulário preenchido com 90 dias de antecedência para o email Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  acompanhada de cópia do Projeto de Pesquisa e carta de aprovação de CEUA e protocolo de encaminhamento da CEUA com a devida identificação de aprovação (carimbo).

Anestesia

Retirada de animais

a) Deve ser realizada pelo próprio docente ou pesquisador envolvido no projeto
 
b) A retirada dos animais deve ocorrer na data solicitada pelo pesquisador constante no formulário de solicitação, caso isso não ocorra na data informada será enviado um e-mail comunicando que a disponibilidade dos animais se dará por um período máximo de 10 dias, após esse prazo os mesmos não estarão mais disponíveis.

Horário de Funcionamento

Biotério de Reprodução

De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, com a presença de funcionários.
Não é permitida a entrada fora destes horários.
 

Biotério de Experimentação

De segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, com a presença de funcionários.
Após esse horário somente acesso restrito. A entrada será permitida somente mediante a autorização dos responsáveis.
O acesso fora do horário comercial deverá, obrigatoriamente, ser anotado no livro de registro.